Listas

7 detetives icônicos da literatura

David Suchet como Hercule Poirot na série de televisão britânica "Agatha Christie's Poirot" David Suchet como Hercule Poirot na série de televisão britânica "Agatha Christie's Poirot" Share this post

Inauguradas por Edgar Allan Poe com Os assassinatos da Rua Morgue, em 1841, as histórias de detetive modernas reúnem dois ingredientes principais. O primeiro é um crime que, à primeira vista, parece não ter solução. O segundo, um detetive para conduzir as investigações e, a partir de seu raciocínio lógico, desvendar o caso elucidando todos os detalhes. Muitos dos personagens criados para resolver mistérios se tornaram verdadeiros ícones, como é o caso destes:

Hercule Poirot

O detetive belga Hercule Poirot é o mais célebre entre os criados pela escritora britânica Agatha Christie. Poirot não é nada modesto e vive se gabando do uso que faz de suas células cinzentas, que trabalham intensamente a fim de entender e desvendar a mente criminosa. Nas páginas dos livros, é descrito como dono de uma cabeça oval, olhos que brilham quando uma ideia o anima e um notável bigode. O personagem apareceu pela primeira vez no livro de estreia de Agatha Christie, O misteriosos caso de Styles (1920), e, desde então, estrelou mais de 30 outros romances e mais de 50 contos da autora.

Sherlock Holmes

Criado por Sir Arthur Conan Doyle, Sherlock Holmes fez sua primeira aparição em Um estudo em vermelho (1887). O detetive já ganhou filmes, seriados de televisão e até um museu no mesmo endereço onde reside na ficção, em Londres: o número 221b da Baker Street. O autor teve no Dr. Joseph Bell, seu professor de medicina na Universidade de Edimburgo, a inspiração para conceber Sherlock Holmes. Além da espantosa capacidade dedutiva, o detetive compartilha muitas características físicas com o Dr. Bell: o jeito enérgico de caminhar, o nariz e o queixo angulares, a testa alta e o brilho astuto dos olhos. Suas histórias publicadas somam 4 romances e 56 contos.

Miss Marple

Miss Marple, outra criação de Agatha Christie, é uma simpática velhinha que vive no vilarejo de St. Mary Mead e desvenda crimes com base em seu profundo conhecimento da natureza humana. Por trás do amor pelo tricô, pela jardinagem e pelas fofocas, a personagem esconde uma grande inteligência e poder de observação. A detetive amadora apareceu pela primeira vez no conto “O clube das terças-feiras”, publicado em 1927 na edição de dezembro da Royal Magazine e posteriormente adicionado à coletânea Os treze problemas (1932). Miss Marple ganhou seu primeiro romance completo, intitulado Assassinato na casa do pastor, em 1930.

Auguste Dupin

Considerado o primeiro detetive da ficção, C. Auguste Dupin foi criado por Edgar Allan Poe e apareceu em apenas três histórias: Os assassinatos da Rua Morgue (1841), O mistério de Marie Rogêt (1843) e A carta roubada (1844). Os assassinatos da Rua Morgue é considerada, ainda, a primeira história de detetive moderna da ficção. Com ela, Edgar Allan Poe inaugurou o estilo das narrativas que usam o raciocínio lógico e a intuição de detetives para descrever o passo a passo de um crime e elucidar cada detalhe da sua execução.

Philip Marlowe

O detetive Philip Marlowe foi criado pelo escritor norte-americano Raymond Chandler e fez sua primeira aparição em O sono eterno (1939). Na ficção, Marlowe é descrito como um beberrão que, apesar de contemplativo, não hesita em usar a violência quando necessário. No cinema, já foi interpretado por atores como Humphrey Bogart e Robert Mitchum.

Jules Maigret

O Comissário francês Maigret, a mais famosa criação do belga Georges Simenon, protagonizou 28 contos e 76 dos mais de 500 romances escritos pelo autor. Publicados entre 1931 e 1972, o primeiro desses livros foi Pietr-le-Letton. Apesar de ser descrito como um homem grande e rude, Maigret é notável por sua paciência e senso de justiça.

O protagonista do próximo livro da TAG Inéditos

Estrela de uma série policial que já conta 21 títulos, esse detetive rendeu ao seu autor  mais de 50 milhões de livros vendidos. No próximo livro da TAG Inéditos, na busca por respostas sobre um crime não resolvido, esse experiente detetive e sua jovem parceira assumem um segundo caso, reaberto após 20 anos. Aparentemente desconexos, um assassinato e um incêndio se aproximam e revelam associações perigosas. Saiba mais sobre a obra e associe-se ao clube para receber a obra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Posts relacionados