Letícia Wierzchowski / Livros

Duas metades de uma mesma coisa

Share this post

A boa literatura pode nascer de muitas premissas, mas a inversão de papéis e espaços já fixados no imaginário coletivo é sempre um trampolim interessante para o salto da narrativa ficcional. Em Os irmãos Sisters, Patrick deWitt faz exatamente isto –  erguendo o seu drama no universo da corrida do ouro nos Estados Unidos, ele apresenta ao leitor uma dupla de matadores profissionais que fazem uma longa viagem pelo país com o intuito de apagar um determinado homem.

Os irmãos Sisters são Eli e Charlie, famosos matadores de aluguel, duas metades de uma mesma coisa, duas partes do drama humano interminável. Juntos, os Sisters protagonizam, pelas mãos de deWitt, cenas que me arrancaram risadas altas – a ponto do meu filho adolescente pedir o livro emprestado assim que eu o terminasse… Humor e violência brotam deste faroeste que é também um profundo drama psicológico construído com uma narrativa de agilidade cinematográfica e diálogos excepcionais. A história toda ancora-se na voz de Eli, o mais novo dos Sisters, um tristonho e ingênuo matador que vive uma profunda crise moral: Eli anda meio cansado do assassínio por encomenda, da vanidade desta rotina de tirar a vida alheia. Ele tem pruridos, tem afetos, e, se por aqui saca sua pistola sem piedade, por ali, espalha gentilezas e costuma ser educado, até mesmo amoroso.

Minerado com mestria e extraído de uma vertente que muitos consideram já gasta, como o ouro americano pelo qual tantas vidas se perderam no século XIX, deWitt nos apresenta um romance pontilhado de personagens absolutamente vivos, inquietos e comovedores, ao mesmo tempo violentos e esperançosos, sonhadores e desencantados.

Desta constelação quase farsesca, surge na última parte do livro um dos personagens mais fascinantes: Warm – o homem culto, o estudioso melancólico e humanista, que desenvolveu uma incrível fórmula secreta que poderá transformar a sofrida busca pelo ouro; mas cujo maior sonho será também a sua perdição. Enfim, Os irmãos Sisters é um livro inusitado, um faroeste revolucionário, divertido e comovedor, capaz de agradar garotos e garotas de todas as idades.

E que beleza de edição, que objeto lindo a TAG entrega nas nossas mãos este mês. Os irmãos Sisters ainda não subiu para minha estante, mas permanece sobre a mesa, encantando meus olhos por mais algum tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*