Matérias / As alegrias da maternidade, de Buchi Emecheta

Flora Nwapa: a escritora que influenciou Chimamanda Adichie

Flora Nwapa flora-03-01 Share this post

Em outubro de 2017, a literatura da Nigéria marcou presença na TAG: a curadora do mês foi a escritora Chimamanda Ngozi Adichie e o livro indicado por ela e enviado aos associados do clube foi “As alegrias da maternidade”, de Buchi Emecheta, autora nigeriana nunca antes publicada no Brasil. Além da admiração de Chimamanda por Emecheta, as duas escritoras têm outro ponto em comum: ambas foram influenciadas pela literatura da conterrânea Flora Nwapa.

Florence Nikiru Nwapa nasceu em 1931, em Oguta, na Nigéria, no período da colonização britânica. Após estudar na Universidade de Ibadan e na Universidade de Edimburgo, trabalhou como professora em seu país de origem até 1967, quando eclodiu a Guerra de Biafra, aceitando então o cargo de ministra da Saúde e Segurança Social. Em sua obra enquanto escritora, buscou recriar as tradições igbo (uma das três maiores etnias da Nigéria) do ponto de vista feminino e retratar o papel das mulheres na sociedade.

Nos anos 60, enquanto atuava como professora, redigiu seu primeiro romance, Efuru (1966), e o apresentou a Chinua Achebe, outro renomado escritor da Nigéria. Em seguida, seu livro foi publicado em Londres e ela tornou-se a primeira escritora nigeriana de língua inglesa publicada internacionalmente e a primeira mulher, dos 25 homens até então, a aparecer na coleção de escritores africanos da editora Heinemann.

Além de Efuru, que conta a história de uma mulher que perde um filho e vive dois casamentos infelizes, Flora Nwapa escreveu livros como One is enough (1981) e Women are different (1896), retratos das mulheres na sociedade nigeriana moderna, e Never again (1975) e Wives at War, and other stories (1980), sobre a Guerra de Biafra. Ao todo, sua obra conta mais de uma dezena de publicações, entre romances, histórias curtas e livros para crianças. Seus livros, infelizmente, ainda não possuem edições no Brasil.

Além de sua carreira como escritora, Flora Nwapa foi a primeira mulher negra em todo o oeste da África a ser proprietária de uma editora ao fundar a Tana Press. Mais tarde ela abriria, ainda, a Flora Nwapa Company, especializada em livros de ficção infantis.

Flora Nwapa foi a precursora de toda uma geração feminina e é, por isso, considerada a mãe da literatura africana moderna. Ao se propor a repensar os papéis tradicionais exercidos pelas mulheres, sua obra defendeu uma sociedade mais igualitária e influenciou muitos escritores que viriam depois dela. Entre eles, estão Buchi Emecheta e Chimamanda Ngozi Adichie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*