Listas / TAG Curadoria

Os 5 melhores livros de Mia Couto

mia couto Share this post

Escritor moçambicano mais traduzido e vencedor do Prêmio Camões, Mia Couto é um dos autores contemporâneos mais importantes da literatura de língua portuguesa. Filho de portugueses que emigraram para Moçambique, o autor apresenta em suas obras representações do processo de miscigenação consequente do colonialismo português na África. Além disso, também é possível identificar em suas narrativas o choque cultural resultante dessas questões identitárias.

Mia é o escritor moçambicano mais conhecido dos brasileiros, dono de uma bela prosa poética e aclamado por diversas obras de sucesso. Em meio a essa vasta obra, recorremos ao Goodreads em busca dos melhores livros de Mia Couto segundo a avaliação dos leitores. Os 5 livros do autor publicados no Brasil com maior nota na plataforma são:

 

livro terra sonâmbula mia coutoTerra sonâmbula

Terra Sonâmbula – considerado por júri especial da Feira do Livro de Zimbabwe um dos doze melhores livros africanos do século XX e agora reeditado no Brasil pela Companhia das Letras – é um romance em abismo, escrito numa prosa poética que remete a Guimarães Rosa. Couto se vale também de recursos do realismo mágico e da arte narrativa tradicional africana para compor esta bela fábula, que nos ensina que sonhar, mesmo nas condições mais adversas, é um elemento indispensável para se continuar vivendo.

 

O Último Voo do Flamingolivro o último voo do flamingo

Depois de um longo tempo de guerra civil, soldados das Nações Unidas estão em Moçambique para acompanhar o processo de paz. O romance narra estranhos acontecimentos de uma pequena vila imaginária, Tizangara, ao sul do país, onde militares da ONU começam a explodir subitamente. O autor elabora uma crítica ácida aos semeadores da guerra e da miséria, mas também uma história em que poesia e esperança dependem da capacidade narrativa de contar a própria história com vozes africanas autênticas. Só elas sabem que o vôo do flamingo faz o sol voltar a brilhar depois de um período de trevas e opressão.

 

O Fio das Missangaslivro o fio das missangas mia couto

“A vida é um colar. Eu dou o fio, as mulheres dão as missangas. São sempre tantas as missangas.” É assim que o donjuanesco personagem do conto “O fio e as missangas” define a sua existência. Fazendo jus a essa delicada metáfora, cada uma das 29 histórias aqui agrupadas alia sua carga poética singular à forma abrangente do livro como um todo – vale dizer, ao colar em questão. Com um texto de intensidade ficcional e condensação formal raras na literatura contemporânea, Mia Couto demora-se em lirismos que a sua maestria de ourives da língua consegue extrair de uma escrita simples, calcada em grande parte na fala do homem da sua terra, Moçambique, um pouco à maneira de Guimarães Rosa, ídolo confesso do autor.

 

Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra

livro um rio chamado tempo, uma casa chamada terra mia couto

O retorno de Marianinho a Luar-do-Chão não é exatamente uma volta às suas origens. Ao chegar à ilha natal, incumbido de comandar as cerimônias fúnebres do avô Mariano – de quem recebeu o mesmo nome e de quem era o neto favorito -, ele se descobre um estranho tanto entre os de sua família quanto entre os de sua raça, pois na cidade adquiriu hábitos de um branco. Aos poucos, Marianinho percebe que voltou à ilha para um renascimento.Uma série de intrigas e de segredos familiares envolvem o pai do protagonista, Fulano Malta, sua avó Dulcineusa, os tios Abstinêncio, Ultímio e Admirança, e também as nebulosas circunstâncias em torno da morte de sua mãe, Mariavilhosa.

 

A confissão da leoa

Em 2008, quando Mia Couto participava da expedição de uma equipe de estudos ambientais ao norte de Moçambique, começaram a ocorrer na região ataques de leões a pessoas. Essa experiência inspirou o autor a escrever este romance singular. Em A confissão da leoa, uma aldeia moçambicana é alvo de ataques mortais de leões provenientes da savana. O alarme chega à capital do país e um experimentado caçador, Arcanjo Baleiro, é enviado à região. Chegando lá, porém, ele se vê emaranhado numa teia de relações complexas e enigmáticas, em que os fatos, as lendas e os mitos se misturam. Uma habitante da aldeia, Mariamar, em permanente desacordo com a família e os vizinhos, tem suas próprias teorias sobre a origem e a natureza dos ataques das feras.

 

Bônus: Indicação TAG

Em comemoração pelos 7 anos de #RevoluçãoTAG, no kit de julho da TAG Curadoria vamos enviar um livro inédito no Brasil do Mia Couto. A obra selecionada foi considerada um dos romances mais emocionantes que o escritor moçambicano publicou na sua carreira, segundo Diário de Notícias.  Saiba mais sobre!

O que você acha de começar essa lista com a indicação do clube? A caixinha de aniversário está repleta de surpresas e temos certeza que você vai amar o que preparamos para este mês!

Inscreva-se para receber a edição comemorativa da TAG Curadoria com obra inédita de Mia Couto — e faça parte da nossa #RevoluçãoTAG.

Esperamos por você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Posts relacionados